A Instapop nasceu da vontade que Silze Marques tinha de criar algo realmente significativo. Pós-graduada em Psicologia Organizacional, foi depois de trabalhar em algumas áreas diferentes que Silze descobriu o empreendedorismo. A empresa foi, enfim, fundada em 2015, com o objetivo de oferecer lembranças aos seus clientes, através das fotos impressas do Instagram.

Como apoiadora do Mulheres que Transformam Mais, Silze comenta que as expectativas para o evento foram as melhores e, para as empreendedoras iniciantes, recomenda muita firmeza e paciência. Confira
mais sobre a história da Instapop e de sua criadora na nossa entrevista:

Como foi a sua trajetória profissional?
Sou pós-graduada em Psicologia Organizacional, trabalho desde os 16 anos, quando consegui meu
primeiro estágio. Sempre trabalhei com vendas, mas depois que fiz graduação passei a atuar em
Recursos Humanos – onde eu era muito feliz por poder ajudar pessoas, porém nunca tive a sensação
de estar completa profissionalmente. Depois de um abalo pessoal, mudei completamente de área e
conheci meu marido, que me apresentou ao empreendedorismo. Fundamos a Instapop em 2015 com
o objetivo de ajudar pessoas a realizar sonhos, oferecendo uma lembrança realmente significativa,
moderna, interativa e inclusiva, pois atende a todas as pessoas. Nossa missão na Instapop é imprimir
sorrisos!

(Foto: reprodução/Instagram)

Que conselhos daria para as empreendedoras iniciantes?
Para as empreendedoras iniciantes, eu recomendo que tenham paciência e que sejam firmes. O
mundo é machista, as pessoas vão te falar para desistir, as pessoas não vão acreditar que você é
capaz. Ninguém precisa acreditar, só você mesma, então acredite. Você terá problemas que você vai
achar que são maiores que você, mas eles não são, você só precisa ter paciência. Quando alguém
menosprezar seu potencial, seja firme, não entre em discussões pois você não precisa provar nada a
ninguém, o sucesso virá e ele será a melhor prova para todos.

 

Maíra Ferreira é formada em Letras pela UFRJ, mestranda em Teoria Literária pela mesma instituição e atua como revisora e editora da Utilità. Publicou seu primeiro livro de poemas – denominado A primeira morte – pela Oficina Raquel e edita a revista digital Oceânica, focada na publicação da poesia produzida por mulheres. Posta looks plus size no Instagram (@mairacomacento) e também escreve sobre relacionamentos, feminismo e vida em seu blog: http://mairacomacento.com.br


Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *